Arquivo | Política RSS feed for this section

Políticos devem se render às redes sociais

15 set

yes-we-can-1024px

Políticos de todo o mundo invadiram a internet depois do sucesso da estratégia de campanha de Barack Obama durante as eleições americanas de 2008, que utilizou redes sociais como Facebook, MySpace, YouTube, Flickr, AsianAve e Twitter – por onde o democrata, depois de eleito, anunciou o nome de seu vice, Joe Biden. Chefes de estado e de governo como Nicolas Sarkozy (França), Angela Merkel (Alemanha), Silvio Berlusconi (Itália) foram alguns líderes que seguiram os passos do americano. No Brasil, o interesse da classe política pelo assunto já está sendo considerado a nova estratégia de marketing político para as eleições de 2010.

“Estamos vivendo uma carência de posições e de ideologias e essas ferramentas possibilitam estimular o debate com a sociedade”, diz o deputado federal Eliseu Padilha, presidente da Fundação Ulysses Guimarães, que capitaneia a discussão sobre o uso das redes sociais pelo PMDB. Por ora, o PV é a única legenda presente em cinco redes. DEM e PT ainda não definiram como será a participação dos seus candidatos na web em 2010, embora expoentes das agremiações já estejam em ação nos espaços virtuais.

A posição dos tucanos também é reticente: “A minha avaliação pessoal é que tudo isso será menos importante do que se acredita porque a cultura brasileira de participação é diferente da americana e da europeia”, afirma Eduardo Jorge, vice-secretário executivo do PSDB e líder de estudo interno da legenda sobre o uso das redes sociais.

Um dos canais favoritos dos políticos brasileiros é o Twitter, microblog que aceita textos de no máximo 140 caracteres e que tem se popularizado pela facilidade de postagem de mensagens a partir de computador ou celular. De acordo com o Politweets, ferramenta que contabiliza a participação de políticos no Twitter, até o momento um governador, 13 senadores, 27 deputados federais e quatro deputados estaduais utilizam o microblog.

Estratégias – Estar presente nas redes sociais em 2010 não será o suficiente para colher sucesso nas urnas, adverte Fernando Barros, presidente da agência de publicidade e marketing político Propeg. “Será preciso montar estratégias criativas, inéditas e que trabalhem a customização das mensagens para públicos específicos, deixando de lado os boletins generalistas.” Para ele, esse foi o grande trunfo da campanha eleitoral de Obama.

Barros já realizou um “laboratório” do que poderá ser usado por aqui no próximo ano: as eleições legislativas de Angola, em 2008, em que o Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) conquistou cerca de 80% dos votos. A estratégia desenvolvida pelo publicitário lá foi aproximar o candidato do eleitorado. “Quando um político comenta em uma rede social a música que está ouvindo, ele humaniza sua figura e se aproxima do eleitor”, explica. “É impressionante como funcionou: o resultado foi muito superior ao esperado”, avalia.

Outro ponto importante seria evitar estratégias “invasivas”. Isso porque, de acordo com pesquisa realizada pela Propeg com eleitores de São Paulo, Salvador, Brasília e Belo Horizonte, a maioria dos eleitores de classe C e D rejeita pop ups, e-mail marketing e newsletter de campanhas políticas.

Indignação virtual – Outro especialista em marketing político, o consultor Gaudêncio Torquato, diz que as redes sociais podem mudar a cultura de participação dos brasileiros no processo político. “Agora, existe a opinião pública virtual, que é muito influenciada pelo que circula na internet”, explica. “Nunca se viu tanta propagação de mensagens de interesse político na internet: se acontece um escândalo, uma votação polêmica em Brasília, imediatamente as pessoas começam a se manifestar nos blogs e twitters.”

Segundo Torquato, todas as consultorias em marketing político já estão estudando estratégias que utilizam as ferramentas da internet para as próximas eleições. “São mais de 50 milhões de pessoas utilizando a web hoje no país. Não dá para ignorar esse número.”

Fonte: Portal das Redes Sociais

Como Obama foi Eleito.

19 nov

John Ziegler, documentarista e cineasta do filme sobre os atentados de 11/9 que coloca a culpa em uma conspiração governamental, volta a atacar. Seu novo filme, “Media Malpractice… How Obama Got Elected“, ainda em fase de produção, será sobre a eleição de Barack Obama.  

Ziegler defende a tese de que a mídia é a verdadeira responsável pela eleição do homem. Que a mistura “Campanha Embasada de Marketing + Apoio Maciço da Mídia = Aceitação em Massa dos Eleitores“.

E, para provar que os eleitores atuaram como “puppets” nas mãos dos marqueteiros gringos, ele entrevistou alguns dos eleitores Obamenses para testar seus conhecimentos sobre a política atual do País. 

OUma parte deste resultado está no vídeo abaixo.

Governo concede anistia ao ex-presidente João Goulart

15 nov

Do site G1

“O ex-presidente da República João Goulart e sua viúva, Maria Teresa Goulart, tiveram seus pedidos de anistia política julgados neste sábado (15) e concedidos, por unanimidade, durante encontro, em Natal (RN), da Comissão de Anistia do Ministério da Justiça.

 Participaram do evento várias autoridades. Entre elas o ministro da Justiça, Tarso Genro, e os presidentes da Câmara, Arlindo Chinaglia, e do Senado Federal, Garibaldi Alves.

 Este é o primeiro caso de um ex-presidente da República que recebe anistia política. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva recebeu anistia em 1994, ou seja, antes de tomar posse no comando do Executivo. Ele ficou preso por um mês em 1980.

 João Goulart, ou Jango, como era conhecido, foi deposto pelo golpe militar de 1964. Ele foi afastado da presidência após a tomada de poder pelos militares e refugiou-se no Uruguai. Também passou pela Argentina, onde morreu em 1976, na cidade de Mercedes, vítima de um ataque cardíaco. 

 Por ter recebido o status de anistiada política, a viúva de João Goulart, Maria Tereza, receberá R$ 100 mil em indenização do Estado. Já devido ao processo do ex-presidente da República, ela receberá mais R$ 5,4 mil por mês de indenização.

 Mensagem do presidente Lula

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que está participando da reunião do G20 em Washington (Estados Unidos) não compareceu ao evento, mas enviou uma mensagem, que foi lida no local. Segundo ele, a concessão da anistia política a João Goulart marca um “pedido oficial” de desculpas do Estado brasileiro.

 “Mais que isso, este ato representa a renovação do compromisso público firmado por nossa sociedade em 1988, de avançar na consolidação de um projeto de nação calçado na liberdade , na valorização da diferença e na preservação da vida acima de qualquer outro valor”, disse Lula em sua mensagem.

 O presidente disse ainda que o evento homenageia um “grande líder da nação”. “Nunca será demais destacar o papel heróico de Jango para o povo brasileiro, uma vez que ele representa como poucos o ideal de um Brasil mais justo, mais igualitário e mais democrático. Infatigável defensor da pátria e das reformas de base, Jango viu o ocaso do Estado de Direito no Brasil, que o obrigou ao exílio, do qual retornou sem vida, para ser sepultado em sua amada terra natal”, avaliou.

OAB

Também presente à cerimônia em Natal, o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Cezar Britto, disse que a sessão da Comissão de Anistia representou um “momento histórico” pois foi a primeira vez, segundo ele, que o Estado oficialmente reconhece que errou no que se refere ao golpe militar.

 “É a primeira vez que o Estado pede desculpas por ter quebrado a via democrática e ter rasgado a Constituição brasileira. Este é um momento que ficará em nossa lembrança para que não possamos nunca mais repetir aquilo que aconteceu: para que não possamos nunca mais repetir o Estado Policial e a ditadura militar”, avaliou ele.”

Meio tarde não? Se bem que a mesadinha que a dona Maria Tereza vai levar não é baba não……

Mas soaria melhor se o dito cujo estivessa vivo, pelo menos.

Obama Graphic Art.

10 nov

Acredito que o  foco diferenciado escolhido pelo Obama em relação aos demais conquistou a admiração do público e, eventualmente, o fez vencer a eleição. Acho que esta postura acabou por atrair artistas (designers) dispostos a participar do que, para eles, seria uma bela vitrine para mostrar seu trabalho mundo afora.

Três artistas tiveram suas peças gráficas expostas em campanhas pelo Estado, Shepard FaireyScott Hansen e Antar Dayal. Nenhum deles recebeu qualquer verba para desenvolver o trabalho. Tudo foi voluntário.

A primeira sequência de cartazes criada por Shepard Fairey, com a palavra PROGRESS em destaque teve seu estoque esgotado em poucos dias. Outra tiragem, com a palavra HOPE, foi distribuída apenas durante as viagens de campanha do candidato.

11

Primeira e segunda versão, por Shepard Fairey

A terceira versão veio com a palavra CHANGE.

2

Terceira versão, por Shepard Fairey

Um segundo designer entrou na jogada então, convidado pela equipe de Obama,  Scott Hansen,  famoso pelo tratamento particular dado à suas peças gráficas tanto em mídias impressas quanto virtuais, aceitou o desafio.

Segundo Scott, o cartaz em seu formato final, tinha quase 3GB, aproximadamente 1000 layers, imagens trabalhadas em Illustrator com o dobro do tamanho que o cartaz exigia. Tudo criado com resolução 300dpi.

3

Versão do Scott Hansen.

 O quarto cartaz foi desenvolvido pelo designer Antar Dayal. Sua inspiração surgiu, segundo o designer “das palavras do candidato, liberdade, habilidades e expressão da esperança e sonhos para uma América melhor”. Isso se reflete no slogan, com uma mensagem tão positivista quanto às demais: “Yes We Can”.

O cartaz pode ser comprado na Loja de Obama por U$70.

41

Cartaz de Antar Dayal.

O último a entrar na onda é Lance Wyman. Seu cartaz já vem coroar a campanha vitoriosa.

5

Lance Wyman causando vertigem.

A Cavalera lançou uma camiseta pedindo votos para o candidato. A razão do lançamento é que os brasileiros que lá residem consigam manifestar sua decisão política depois de oito anos do cansativo e prejudicial à saúde da humanidade governo Bush. Bem que podiam ter dado uma caprichada, seguindo um pouco o modelo oficial.

barack-obama

A tosqueira da Cavalera

As camisetas estão à venda nas três lojas da Cavalera em São Paulo (à Alameda Lorena, 1682; no Shopping Higienópilis, à Av. Higienópolis, 618 – piso Pacaembu; e no Shopping Ibirapuera, à Av. Ibirapuera, 3103 – piso Moema) e custam R$ 19 cada.

BOM!

Para quem, como eu curte isso tudo, tem um TUTORIAL que mostra passo-a-passo como desenvolver uma peça igualzinha. (A dos artistas da gringa, não a da Cavalera).

Nem precisa agradeçer.

Se quiser ver mais trabalhos gráficos envolvendo Obama clica Aqui ou Aqui.

A Audácia da Esperança

7 nov

1949488_4

 

 

DESCRIÇÂO OFICIAL:         “O senador democrata Barack Obama, eleito no final de 2008 presidente dos Estados Unidos analisa o governo Bush, a vida política atual no seu país, a atuação do Congresso, as tensões religiosas e raciais, a intervenção norte-americana no Iraque e também outras questões mundiais, como o terrorismo e as pandemias nas páginas desta magnífica obra. Apesar de não ser exatamente uma autobiografia, a trajetória e experiência do senador também é exposta. Conheça um pouco mais sobre as idéias deste homem que em 2009 será o presidente do país mais podereso do mundo.”

 

 

Bom, precisa falar mais alguma coisa? Este singelo livro acaba de tornar-se um must-read para qualquer um que se interesse em política e viva no planeta Terra.

Eu, particularmente, quero ler.

Seria uma boa leitura para este final de semana….