Tag Archives: ELeição

Políticos devem se render às redes sociais

15 set

yes-we-can-1024px

Políticos de todo o mundo invadiram a internet depois do sucesso da estratégia de campanha de Barack Obama durante as eleições americanas de 2008, que utilizou redes sociais como Facebook, MySpace, YouTube, Flickr, AsianAve e Twitter – por onde o democrata, depois de eleito, anunciou o nome de seu vice, Joe Biden. Chefes de estado e de governo como Nicolas Sarkozy (França), Angela Merkel (Alemanha), Silvio Berlusconi (Itália) foram alguns líderes que seguiram os passos do americano. No Brasil, o interesse da classe política pelo assunto já está sendo considerado a nova estratégia de marketing político para as eleições de 2010.

“Estamos vivendo uma carência de posições e de ideologias e essas ferramentas possibilitam estimular o debate com a sociedade”, diz o deputado federal Eliseu Padilha, presidente da Fundação Ulysses Guimarães, que capitaneia a discussão sobre o uso das redes sociais pelo PMDB. Por ora, o PV é a única legenda presente em cinco redes. DEM e PT ainda não definiram como será a participação dos seus candidatos na web em 2010, embora expoentes das agremiações já estejam em ação nos espaços virtuais.

A posição dos tucanos também é reticente: “A minha avaliação pessoal é que tudo isso será menos importante do que se acredita porque a cultura brasileira de participação é diferente da americana e da europeia”, afirma Eduardo Jorge, vice-secretário executivo do PSDB e líder de estudo interno da legenda sobre o uso das redes sociais.

Um dos canais favoritos dos políticos brasileiros é o Twitter, microblog que aceita textos de no máximo 140 caracteres e que tem se popularizado pela facilidade de postagem de mensagens a partir de computador ou celular. De acordo com o Politweets, ferramenta que contabiliza a participação de políticos no Twitter, até o momento um governador, 13 senadores, 27 deputados federais e quatro deputados estaduais utilizam o microblog.

Estratégias – Estar presente nas redes sociais em 2010 não será o suficiente para colher sucesso nas urnas, adverte Fernando Barros, presidente da agência de publicidade e marketing político Propeg. “Será preciso montar estratégias criativas, inéditas e que trabalhem a customização das mensagens para públicos específicos, deixando de lado os boletins generalistas.” Para ele, esse foi o grande trunfo da campanha eleitoral de Obama.

Barros já realizou um “laboratório” do que poderá ser usado por aqui no próximo ano: as eleições legislativas de Angola, em 2008, em que o Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) conquistou cerca de 80% dos votos. A estratégia desenvolvida pelo publicitário lá foi aproximar o candidato do eleitorado. “Quando um político comenta em uma rede social a música que está ouvindo, ele humaniza sua figura e se aproxima do eleitor”, explica. “É impressionante como funcionou: o resultado foi muito superior ao esperado”, avalia.

Outro ponto importante seria evitar estratégias “invasivas”. Isso porque, de acordo com pesquisa realizada pela Propeg com eleitores de São Paulo, Salvador, Brasília e Belo Horizonte, a maioria dos eleitores de classe C e D rejeita pop ups, e-mail marketing e newsletter de campanhas políticas.

Indignação virtual – Outro especialista em marketing político, o consultor Gaudêncio Torquato, diz que as redes sociais podem mudar a cultura de participação dos brasileiros no processo político. “Agora, existe a opinião pública virtual, que é muito influenciada pelo que circula na internet”, explica. “Nunca se viu tanta propagação de mensagens de interesse político na internet: se acontece um escândalo, uma votação polêmica em Brasília, imediatamente as pessoas começam a se manifestar nos blogs e twitters.”

Segundo Torquato, todas as consultorias em marketing político já estão estudando estratégias que utilizam as ferramentas da internet para as próximas eleições. “São mais de 50 milhões de pessoas utilizando a web hoje no país. Não dá para ignorar esse número.”

Fonte: Portal das Redes Sociais
Anúncios

Como Obama foi Eleito.

19 nov

John Ziegler, documentarista e cineasta do filme sobre os atentados de 11/9 que coloca a culpa em uma conspiração governamental, volta a atacar. Seu novo filme, “Media Malpractice… How Obama Got Elected“, ainda em fase de produção, será sobre a eleição de Barack Obama.  

Ziegler defende a tese de que a mídia é a verdadeira responsável pela eleição do homem. Que a mistura “Campanha Embasada de Marketing + Apoio Maciço da Mídia = Aceitação em Massa dos Eleitores“.

E, para provar que os eleitores atuaram como “puppets” nas mãos dos marqueteiros gringos, ele entrevistou alguns dos eleitores Obamenses para testar seus conhecimentos sobre a política atual do País. 

OUma parte deste resultado está no vídeo abaixo.

“Toda unanimidade é burra.”

6 nov

Acho que nunca vi uma disputa como essa. E, após muita briga, Obama sai vencedor.

A atitude de McCain, além de me surpreender, me agradou.

Ver um homem que, derrotado, assume seu papel como cidadão ao lado de seu presidente foi incrível. Digno de hollywood. Aliás…. não dou muito tempo pra isso virar filme não….

Acho que realmente Obama é uma unanimidade.

Mas… como dizia o Nelson Rodrigues…..