Tag Archives: Trailer

Vídeo sobre o Chapeleiro de Alice in Wonderland!

26 jan

Saiu o novo teaser do tão esperado filme do diretor Tim Burton focado no Chapeleiro Maluco de Johnny Depp.

O Filme estréia dia 3/5/2010. To me coçando pra ver…..

Confira o trailer de Alice no País das Maravilhas, de Tim Burton.

28 out

alice-in-wonderland-logo-tim-burton

Parece que Tim Burton encontrou a obra perfeita para exercitar toda sua loucura excentricidade: Alice no País das Maravilhas. Pois a maluquice lisérgica que mistura coelhos, rainhas, naipes de baralhos e espelhos, escrita por Lewis Carroll cabe perfeitamente no estilão visual único de Burton.

alice_no_pais_das_maravilhas

Ele mistura captura de movimentos e animação 3D, com bonecos em stop-motion. O elenco inclui figurinhas carimbadas da filmografia do diretor: Johnny Depp (Chapeleiro Louco), Helena Bonham Carter (Rainha de Copas) e Christopher Lee (O Jaguardarte). Completam o elenco Anne Hathaway (Rainha Branca), Michael Sheen (Coelho Branco) e Mia Wasikowska (Alice).

O filme só estréia dia 5 de março de 2010, mas o site já tá no ar e o trailer já tá rodando pelaí. Confere aí:

Filme da Semana – Quantum of Solace (2008)

7 jan

solace-21

Quantum of Solace

Inglaterra/EUA – 2008

 

Direção: Marc Forster
Roteiro: Paul Haggis, Neal Purvis 
Elenco:
 Daniel Craig, Olga Kurylenko, Mathieu Amalric, Judi Dench, Giancarlo Giannini, Gemma Arterton, Jeffrey Wright.

Sinopse: Dando continuidade aos eventos de ”Cassino Royale”, essa 22º aventura do agente James Bond tem como inspiração o conto ”Risico”, por sua vez presente no livro ”Somente para os seus Olhos”, de Ian Fleming. Filme que marca a segunda participação de Daniel Craig como 007.

Não há mais Guerra Fria. James Bond, interpretado por Daniel Craig sangra, tem o rosto marcado por cortes e hematomas, apanha e não pode confiar em ninguém, uma vez que o grande inimigo da vez é uma organização internacional misteriosa e sem rosto, que se infiltra em todos os lugares e é capaz de derrubar governos com facilidade.

Nunca se viu um Bond correr tanto, envolver-se em pancadarias, saltar de prédios, andaimes e carros em movimento, tornar-se praticamente um personagem de videogame em meio a seqüências frenéticas de ação. Se nos filmes da década de 60 a maior prova de exigência física do agente inglês era perambular de cama em cama, o 007 personificado por Craig bate e apanha muito mais do que transa, embora, verdade seja dita, o nível estético das Bond Girls permaneça impecável. O  James Bond do século XXI está mais realista, mais sofrido, um homem emocionalmente instável que, embora jamais perca de vista o objetivo de suas missões, possui motivações pessoais para cada ação que faz.

Após a reconstrução do personagem James Bond em Cassino Royale, fartamente elogiada por crítica e público que se renderam à atuação de Daniel Craig, o melhor ator da franquia desde o hors concours Sean Connery, como prosseguir no mesmo alto nível? A resposta procurou ser dada neste filme, cuja trama é uma espécie de continuidade do primeiro com Daniel, que havia terminado com a morte da única mulher pela qual James Bond se apaixonou de verdade: Vesper Lynd, maravilhosamente interpretada por Eva Green em Cassino Royale. Uma mulher que, no entanto, traiu Bond e fez com que ele se tornasse ainda mais amargo, cínico e cético do que um assassino profissional já precisa ser. E as seqüências iniciais de Quantum of Solace, que mostram 007 chutando bundas em uma perseguição frenética de carros na Itália, já mostra o estado de nervos de Bond: um homem que não mede conseqüências nem hesita ao matar suas testemunhas ao invés de interrogá-las, na sanha por saber a verdade sobre os responsáveis pela morte de Vesper e, também, a fim de descobrir qual é a misteriosa organização capaz de fomentar golpes de estado em países como a Bolívia, e que se infiltra inclusive no serviço secreto britânico.

Quantum of Solace não consegue superar seu antecessor Cassino Royale, muito por conta das suas personagens femininas, que sequer chegam aos pés de Vesper Lynd. Camille (Olga Kurylenko) surge na trama apresentando as mesmas motivações de Bond para suas ações: traumas do passado que pedem por vingança em seu sangue. Porém, é uma personagem frouxamente construída pelos roteiristas do filme, que encanta na tela com sua faiscante presença física, mas perde de goleada na inevitável comparação feita com a Vesper que Eva Green interpretou na película anterior. Faz melhor papel a atriz Gemma Arterton, que honra a tradição de nomes esdrúxulos da franquia com sua personagem Strawberry Fields, uma funcionária administrativa do serviço britânico que sucumbe aos músculos torneados de Bond e vai para a cama com o agente. Strawberry também é protagonista de uma cena impactante que remete diretamente à mais famosa das cenas do clássico 007 Contra Goldfinger.

Menos mal que o filme possui atuações marcantes de coadjuvantes de luxo como Judi Dench (pela sétima vez consecutiva no papel de M, a chefe imediata de Bond), Giancarlo Giannini (no papel de Mathis, o agente experiente que protagoniza outra cena marcante do filme, que ilustra a frieza objetiva que tomou conta do Bond de Daniel Craig após a perda do amor de sua vida) e Mathieu Amalric, o excepcional ator francês de filmes como Reis e Rainha e  O Escafandro e a Borboleta, e que faz o que pode no papel do vilão da vez, um empresário falsamente filantrópico. É uma pena que o roteiro de seja superficial, mas há aqui um nítido problema de comparação com o filme anterior, que humanizou James Bond de uma maneira inédita em todos as produções da série e o tornou um personagem muito mais complexo e verossímil.

Quantum of Solace é uma diversão de primeira qualidade que me deixou esperando pelo próximo longa-metragem da série.

Trailer:

Filme da Semana – [REC] (2007)

19 nov

 

rec 

[REC]

Espanha – 2007

Direção: Jaume Balagueró
Roteiro: Jaume Balagueró,Luiso Berdejo,Paco Plaza
Elenco:
Manuela Velasco, Ferran Terraza, Pablo Rosso, Martha Carbonell, Vicente Gil

Sinopse: Uma repórter de TV e seu cinegrafista seguem um grupo de bombeiros da cidade. Depois que recebem um chamado de uma senhora que diz estar presa dentro de casa, eles chegam ao prédio dela e escutam gritos apavorantes – que dão início um longo pesadelo e a uma reportagem nunca vista antes.

[REC] é um desses filme de suspense / terror que te prende à poltrona causando angústia e medo em poucos minutos.

O filme começa durante a cobertura de um programa apresentado pela jovem repórter Angela Vida. O objetivo inicial seria mostrar a rotina dos bombeiros com seus chamados e tudo mais durante a madrugada. Porém, um chamado mudaria a vida de todos. Ao chegarem ao prédio, todos os residentes estão apavorados já que aparentemente uma senhora perturbada está interrompendo o sono de muita gente e é exatamente aí que o filme começa.

Logo nos minutos iniciais já estamos nos acostumados com a forma com que a câmera é trabalhada, e não demora muito para sentirmos a mesma a tensão representada pelos personagens do filme, já que fica claro que a protagonista na verdade é a própria… Câmera. Mas Hein?

É isso mesmo, a dita se torna a essencial arma de sobrevivência dos residentes do prédio. Pois, para sair vivo, não basta largar a câmera e correr, ela dispõe de recursos como visão noturna e a própria iluminação, ítens que em dados momentos eles precisam.

Quarantine é a versão hollywoodiana do filme, aà qual, confesso que não gostei muito.

Bom filme para uma quarta à noite.

Trailer:

Bootleg Trailer do Star Trek

17 nov

Esse aí tá passando no cinema. No site oficial sai o completo daqui a 4horas.